• denuncias
  • peticionamento
  • protocolo
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • lgpd
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Não categorizado
  • MPT pede rejeição de projeto de lei que altera regras de contratos de parceria agrícola

MPT pede rejeição de projeto de lei que altera regras de contratos de parceria agrícola

Instituição alerta que a proposta representa grave ameaça à política pública de erradicação do trabalho escravo contemporâneo

Brasília, 10/06/2021 - O Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou nesta quinta-feira (10) uma manifestação na qual pede ao Congresso Nacional que rejeite o Projeto de Lei (PL) nº 3.097/2020, que tramita na Câmara dos Deputados e altera regras de contratos de parceria agrícola. Segundo a instituição, a proposta representa grave ameaça à política pública de erradicação do trabalho escravo contemporâneo e possui diversas violações à Constituição Federal, a normas internacionais de direitos humanos ratificadas pelo Brasil e a medidas protetivas nas relações de emprego no país.

O PL promove mudanças no Estatuto da Terra (Lei nº 4.504/64) e torna facultativas todas as contrapartidas devidas pelo proprietário da terra com relação ao trabalhador parceiro. Entre as alterações está a ausência de percentual máximo da cota do proprietário do terreno no resultado da produção, que atualmente variam de 20% a 75%, e de contrapartidas mínimas que o proprietário deve assegurar ao parceiro, como preparo de solo, moradia digna, benfeitorias e implementos agrícolas.

Na manifestação, o MPT alerta que essa medida “busca fulminar o caráter obrigatório de todos os mencionados requisitos, com consequente possibilidade de fruição de percentuais de produção legalmente ilimitados e nenhuma garantia de contrapartidas ao trabalhador”.

Além disso, o projeto de lei prevê que o proprietário do terreno também poderá cobrar do parceiro, pelo seu preço de custo, o valor de transporte, assistência técnica, equipamentos de proteção, combustível e sementes. Nas regras atuais, ele só pode cobrar pelos fertilizantes e inseticidas fornecidos. Para o MPT, “tal redação, caso aprovada, também se prestará ao fomento da servidão por dívidas, a qual consubstancia uma das modalidades do crime de redução de trabalhador a condição análoga à de escravo, tipificado no art. 149 do Código Penal.”

Outro ponto do PL criticado pela instituição é o que trata da ausência de relação de subordinação do parceiro quando há prestação de orientação ou assistência técnica por parte proprietário da terra. Segundo o MPT, a “redação veiculada no projeto contraria a própria definição de instituto jurídico internacionalmente construído, que serve de pilar para toda a disciplina legal e constitucional do Direito do Trabalho. Caso aprovada, então, pode levar à ampla disseminação de práticas fraudulentas no campo, incentivo à informalidade e severos prejuízos aos trabalhadores, à sociedade e ao Estado, que será duramente afetado com as consequentes sonegações de tributos e contribuições previdenciárias”.

A manifestação conjunta foi assinada pela Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Conaete) e pela Coordenadoria Nacional de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho (Conafret).

Clique aqui para ler o documento.

O que é parceria agrícola?

Prevista no Estatuto da Terra, a parceria agrícola é uma modalidade de contrato agrário na qual o proprietário de imóvel rural cede o espaço ao trabalhador para exploração agrícola, pecuária ou agroindustrial por meio da partilha de lucros e prejuízos que a atividade possa trazer.

Fonte: Procuradoria-Geral do Trabalho
Informações: (61) 3314-8101/8233
www.mpt.mp.br

Tags: Ministério Público do Trabalho

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • socioambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • Portal de Direitos Coletivos